OlhandoaCidade

Rua do Senado em dia de São Jorge!

O tempo começa a esfriar e o meu sono a melhorar. Graças a Deus! Tenho dormido mais, tenho andado mais preguiçoso, com menos disposição. Não me sinto doente de nada, apenas com menos energia e mais apegado a não fazer nada. Credito isso ao clima, que está muito mais gostoso para não fazer nada em casa.

Dito isto, estava eu domingão em casa na maior das preguiças, assistindo com dificuldade uma corrida de motos do Mundial de WSBK quando minha amiga Miriam manda mensagem dizendo que estava com uns amigos na Lapa, após sair da missa de São Jorge. Dia 23 de abril é um dia de festa na cidade. São Jorge é um santo muito querido. É Santo Padroeiro de Portugal, Inglaterra, de Moscou, dos Escoteiros, da cavalaria do Exército Brasileiro, apenas para citar alguns.

No sincretismo brasileiro, quando os negros africanos proibidos de cultuar os seus Orixás escolheram santos católicos para representá-los, foi escolhido a dedo São Jorge para ser Ogum. Santo Guerreiro que dizem ter se adaptado perfeitamente para este papel.

São Jorge é um dos santos mais venerados no catolicismo (tanto na Igreja Católica Romana e na Igreja Ortodoxa, como também na Comunhão Anglicana). Aqui na Tijuca foram muitos fogos em comemoração a Ogum e São Jorge.

Miriam e Eu.

Mirian, como muitas de minhas amigas, é Mãe de Santo, Umbandista. Um monte de amigas novas são umbandistas, participando de Giras que cismam em acontecerem nos fins de semana.

Decidido a me animar e ir para rua, dia lindo, fui lá conferir a festa na Lapa. Na verdade não era bem na Lapa e sim na “Lapa Extendida” e estava na Rua do Senado. A Rua do Senado tem um significado muito especial para mim, pois lá eu fui morar quando nasci.

Minhas lembranças mais antigas são no apartamento do edifício Senatus (que está lá até hoje). Lembro-me de seu Bento colocando a Lambretta prá dentro da portaria, onde ele a guardava, debaixo da escada. Também lembro-me de correr atrás das Cotias no Campo de Santana, e dos caminhões dos Bombeiros.

Não lembro de muitas coisas, mas é um endereço muito especial para mim.

Armazém Senado, desde 1907

Estavam todos lá na esquina com a Gomes Freire, ao lado do Armazém Senado, uma casa fundada em 1907 e reconhecido como Patrimônio Cultural Carioca. Eu nunca tinha ido lá, um absurdo né? Nasci ali e demorei quase 60 anos para ir lá. Muito interessante o movimento. A tribo da minha filha, hipsters, gente bonita tatuada, fiquei olhando por mais de 2 horas e não encontrei ninguém, nenhum conhecido. Incrível isso, conheço muita gente. No Armazém Senado armava-se um samba.

Ó o bolinho ali atrás

Bem em frente tínhamos um Bolo para São Jorge, muito bacana a homenagem e o lugar estava enchendo e imensas filas se formando para comer no Restaurante Labuta e no boteco do Labuta. Peguei lá para análise o cardápio do Labuta. Pareceu-me muito bom e com preços bem razoáveis. Mas comi um sanduba de pernil no Boteco do Labuta. Muito bom também, bem temperado e feito com amor. Furei a fila de maneira olímpica e inocente. Me sacanearam dizendo que me atenderam preferencialmente. Sacanagem.

Nesta hora estava vazio

Armou-se um toldo na rua, que estava totalmente fechada por pessoas e sem trânsito, onde iria rolar um som ao vivo.

Figuras animadas

Cansei de ficar em pé, cansei de olhar gente tatuada e maluca, a preguiça ameaçando voltar e piquei minha mula de volta prá casa. Foi uma experiência incrível, uma imersão em um ambiente e população que eu habitualmente não vejo, e que deixou clara a minha ignorância sobre bares, lugares, restaurantes e points do centro velho do Rio de Janeiro. Vou voltar lá para comer no Labuta e olhar mais aquela parte da cidade.

O Boteco do Labuta

Obrigado Miriam pelo convite.

Publicitário, Designer, Historiador, Jornalista e Pioneiro na Computação Gráfica. Começou em publicidade na Artplan Publicidade, no estúdio, com apenas 15 anos. Aos 18 foi para a Propeg, já como Chefe de Estúdio e depois, ainda no estúdio, para a Agência da Casa, atual CGCOM, House da TV Globo. Aos 20 anos passou a Direção de Arte do Merchandising da TV Globo onde ficou por 3 anos. Mudando de atuação mais uma vez, do Merchandising passou a Computação Gráfica, como Animador da Globo Computação Gráfica, depois Globograph. Fundou então a Intervalo Produções, que cresceu até tornar-se uma das maiores produtoras de Computação Gráfica do país. Foi criador, sócio e Diretor de Tecnologia da D+,depois D+W, agência de publicidade que marcou uma época no mercado carioca e também sócio de um dos primeiros provedores de internet da cidade, a Easynet. Durante sua carreira recebeu vários prêmios nacionais, regionais e também foi finalista no prestigiado London Festival. Todos com filmes de animação e efeitos especiais. Como convidado, proferiu palestas em diversas universidades cariocas e também no 21º Festival da ABP, em 1999. Em 2000 fundou a Imagina Produções (www.imagina.com.br), onde é Diretor de Animações, Filmes e Efeitos até hoje. Foi Campeão Carioca de Judô aos 15 anos, Piloto de Motocross e Superbike, mantém até hoje a paixão pelo motociclismo, seja ele off-road, motovelocidade e "até" Harley-Davidson, onde é membro fundador do Museu HD em Milwaukee. É Presidente do ForzaRio Desmo Owners Club (www.forzario.com.br) e criou o site Motozoo® - www.motozoo.com.br -, onde escreve sobre motociclismo. Como historiador, escreve em https://olhandoacidade.imagina.com.br. Maiores informações em: https://bio.site/mariobarreto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.