OlhandoaCidade

Praça Santos Dumont

Hoje vim andando desde o Planetário até o Jóquei. Eu estava com uma moto emprestada, devolvi-a e o plano era almoçar no caminho e depois facilitar e baratear o Über, chamando-o já viradinho para a Tijuca. Como sempre, venho andando devagarinho e olhando a cidade. Nem pretendia escrever nada, mas ao chegar e atravessar a Praça Santos Dumont não pude deixar de reparar como os nossos equipamentos públicos e a sua manutenção são vagabundos…

A Praça é enorme, com atrações como um parque infantil bem equipado, uma “academia de velhos”, um ParCão… no centro, e eu NUNCA tinha olhado, tem um chafariz abandonado e seco. Parado tem anos. Segundo a prefeitura, foi desligado por uso indevido. O que seria isso? Imagino que seria banho e lavagem de roupa de mendigos… ou lavagem de automóveis…. uma pena, porque devia ser lindo funcionando. Nunca vi. Frequento muito o Baixo Gávea, tem anos. Nunca vi o chafariz funcionando.

No horário em que eu passei, tudo deserto, tudo sujo, equipamentos sempre um pouco tortos, grama careca e o principal… roubaram também a placa do busto de Santos Dumont. Meu Deus, será que roubaram TODAS as placas de bustos da cidade? Justa homenagem, sou fã de Santos Dumont.

Roubaram a placa…

Santos Dumont dá nome a praça desde 1932, quando mudaram seu nome, que era naquele momento Praça Arthur Bernardes, ex-Presidente do Brasil.

Antes ainda, no início do século XX, ali era o Largo das Três Vendas pois ali existiram três mercearias encarregadas do abastecimento do bairro. Na época, o principal ponto de referência era a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, erguida entre 1852 e 1857, que existe até hoje, no começo da rua Marquês de São Vicente.

Tentem achar a Igreja aqui do lado direito…
O então Largo das Três Vendas

Longe de ser o lugar de bacanas que é hoje, a Lagoa Rodrigo de Freitas quase chegava lá, pois não existia o Jóquei Clube. Este clube de hoje é o resultado da fusão do Jóquei Club com o Derby Club, resultando no Jockey Club Brasileiro. Eles aterraram a Lagoa para fazer a sua nova sede, obra que acabou em 1926. Antes os prados eram aqui perto de casa, onde hoje é o estádio do Maracanã. Eu quando adolescente e ia ao Maraca, a estação de trem era ainda chamada de Estação Jóquei Clube.

Pois bem, neste lugar longe de tudo na cidade, foi construída a Vila Operária Orsina da Fonseca As escolas Júlio de Castilhos e Manoel Cícero, até hoje no local, eram escolas profissionalizantes, feminina e masculina, respectivamente. Juntas, essas duas instituições representavam uma tentativa de profissionalizar os filhos dos operários, para que, futuramente, eles pudessem substituir os seus pais no trabalho fabril. Mas dois anos após a chegada do Jóquei já rolou uma gentrificação e foi tudo derrubado. Já rolava uma especulação imobiliária, a praga carioca.

Muita história tem a praça, que segue lá meio suja, meio quebrada, meio mal cuidada (e olha que é na Gávea hein? Zona Sul da cidade), equipamentos meio tortos, tudo no padrão brasileiro de qualidade, ou seja, uma porcaria.

Sei que sou reclamão, fazer o que? O lugar é lindo, podia ser melhor, se mais bem feito, se mais bem cuidado, se não roubassem tudo. Olhando a cidade por aí.

Estátua recente de Clementinho Fraga. Não sei como não roubaram a placa… deve ser de plástico.
Achei uma foto com a placa. Sempre a Professora Vera salvando!!

Publicitário, Designer, Historiador, Jornalista e Pioneiro na Computação Gráfica. Começou em publicidade na Artplan Publicidade, no estúdio, com apenas 15 anos. Aos 18 foi para a Propeg, já como Chefe de Estúdio e depois, ainda no estúdio, para a Agência da Casa, atual CGCOM, House da TV Globo. Aos 20 anos passou a Direção de Arte do Merchandising da TV Globo onde ficou por 3 anos. Mudando de atuação mais uma vez, do Merchandising passou a Computação Gráfica, como Animador da Globo Computação Gráfica, depois Globograph. Fundou então a Intervalo Produções, que cresceu até tornar-se uma das maiores produtoras de Computação Gráfica do país. Foi criador, sócio e Diretor de Tecnologia da D+,depois D+W, agência de publicidade que marcou uma época no mercado carioca e também sócio de um dos primeiros provedores de internet da cidade, a Easynet. Durante sua carreira recebeu vários prêmios nacionais, regionais e também foi finalista no prestigiado London Festival. Todos com filmes de animação e efeitos especiais. Como convidado, proferiu palestas em diversas universidades cariocas e também no 21º Festival da ABP, em 1999. Em 2000 fundou a Imagina Produções (www.imagina.com.br), onde é Diretor de Animações, Filmes e Efeitos até hoje. Foi Campeão Carioca de Judô aos 15 anos, Piloto de Motocross e Superbike, mantém até hoje a paixão pelo motociclismo, seja ele off-road, motovelocidade e "até" Harley-Davidson, onde é membro fundador do Museu HD em Milwaukee. É Presidente do ForzaRio Desmo Owners Club (www.forzario.com.br) e criou o site Motozoo® - www.motozoo.com.br -, onde escreve sobre motociclismo. Como historiador, escreve em https://olhandoacidade.imagina.com.br. Maiores informações em: https://bio.site/mariobarreto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.