OlhandoaCidade

Estátua da Liberdade de Vila Kennedy

Meus amigos, hoje fez um dia lindo! Acordei, vi uma corrida de motos na TV e, aproveitando que eu estou com uma motoca nova para testar (já testei!, leiam aqui), resolvi ir conferir a Estátua a Liberdade de Vila Kennedy. Não sei porque eu a tinha em minha memória e poderia jurar que já tinha passado por lá. Vila Kennedy faz parte de Bangu.

Vila Kennedy foi um projeto realizado pelo Governado Carlos Lacerda, para abrigar desabrigados de suas grandes remoções de favelas da Zona Sul, como as do Pasmado, a do Esqueleto (onde hoje é a UERJ), a do Pinto (que ficava na Lagoa), a de Ramos e de outras que estavam espalhadas pela cidade.

Para ali, na antiga Praça da Liberdade, que fica do ladinho da Avenida Brasil, foi transferida esta estátua. Ela foi uma das três maquetes usadas pelo escultor francês Frederic Augusto Bartholdi, para servir de modelo à execução da grande estátua doada pela França aos Estados Unidos e que está instalada à entrada do porto de Nova Iorque. O Comendador José Pereira da Rocha Paranhos a recebeu do Barão de Rio Branco, de quem era primo. Até a década de 60, ela ficava numa propriedade privada na Avenida Pasteur na Urca, onde hoje fica o prédio do antigo Cine Veneza. O Governo recebeu em doação ou comprou a obra e o governador Carlos Lacerda determinou a sua transferência para a então Praça da Liberdade e que hoje é Praça Miami em Vila Kennedy. Antes de ir para a Vila Kennedy, ela foi restaurada. Calcula-se que ela ficou pronta por volta de 1880 quando Frederic Augusto Bartholdi começou o seu trabalho de criação, por encomenda do governo francês.

Como ela exatamente chegou ao Brasil não é bem esclarecido, parece que foi uma encomenda da família Paranhos. A Fundição Val d’Osne, na França fabricou várias réplicas da estátua. Como muitas se perderam, restaram apenas a brasileira e a de bronze que está nos Jardins do Luxemburgo, em Paris. A nossa é feita de zinco (outras fontes dizem níquel) e recebeu uma segunda restauração em 2014. Foi tombada apenas em 2017 pelo então Prefeito Marcelo Crivella.

A fofoca e bizú dos mais antigos do local é que nesta última restauração trocaram a estátua, e que esta que lá está é uma réplica da réplica. Em um Estado onde rouba-se de forma industrial como o Rio de Janeiro, não duvido de nada e que a original e valiosa, esteja em alguma fazenda no interior do Estado. Como foram parar as vigas da perimetral, por exemplo.

Peguei a Avenida Brasil e acelerei, Bangu é longe. Seguindo a indicação do GPS cheguei em uma feira tipo medieval, muito movimentada, sem lei ou ordem. Carros transitam em todas as direções, não há mão e contra mão. Motos contadas aos milhares passam por cima de tudo em todos, em um trânsito louco onde é possível até que elas venham de cima. Absolutamente ninguém usa capacete, mulheres e crianças transitam alegremente com scooters novos em folha. A frequência é intimidadora e todos estavam me olhando, provavelmente porque eu estava usando capacete.

Procurei, procurei, entrei em algumas ruas, que na verdade são vielas de favela, sem nenhuma manutenção. O local é MUITO feio e MUITO perigoso. Voltei, parei a moto perto do centro da feirinha e aí fui descobrir que eu já estava ao lado da Estátua, que estava coberta pelo movimento.

Primeira decepção, a Estátua é umas 3 vezes menor do que eu imaginava. Ficaria linda em um jardim, mas em uma praça grande como a praça Miami é, ela fica muito pequena. Não estava tão suja, mas a lâmpada da sua tocha está quebrada, sem funcionar, e ao seu redor tem muito lixo.

Para dar uma idéia do perigo do lugar, eu comecei a filmar e logo depois chegou um cidadão local, falando uma língua parecida com o Português. Poderia ser Mirandolês, ou Galego, mas era mesmo Vagabundês, a língua que os vagabundos falam na região. Muito educadamente, mas de forma assertiva, pediu-me e certificou-se de que eu apagasse o filme que fiz, conferindo até se eu apaguei da lixeira do iPhone. Ele me explicou que eu posso filmar à vontade, mas tenho que antes avisar que vou fazer isso, para que os que tem problema com a lei possam sair da filmagem. O caso dele e de uns amigos que estavam vendendo drogas ilícitas naquele momento. Mas fez questão que eu refizesse a filmagem depois que eles se escondessem atrás de uma barraquinha.

Sinistra a experiência como um todo. É um dos locais mais perigosos e movimentados que eu já fui. Não recomendo de nenhuma maneira, em nenhum dia e em nenhum horário ir lá olhar a estátua. É de fato MUITO perigoso.

Na verdade então eu nunca tinha estado ali, era uma peça da minha cabeça. Em minha memória e lembranças a estátua era maior. Espero que vocês gostem das fotos.

Publicitário, Designer, Historiador, Jornalista e Pioneiro na Computação Gráfica. Começou em publicidade na Artplan Publicidade, no estúdio, com apenas 15 anos. Aos 18 foi para a Propeg, já como Chefe de Estúdio e depois, ainda no estúdio, para a Agência da Casa, atual CGCOM, House da TV Globo. Aos 20 anos passou a Direção de Arte do Merchandising da TV Globo onde ficou por 3 anos. Mudando de atuação mais uma vez, do Merchandising passou a Computação Gráfica, como Animador da Globo Computação Gráfica, depois Globograph. Fundou então a Intervalo Produções, que cresceu até tornar-se uma das maiores produtoras de Computação Gráfica do país. Foi criador, sócio e Diretor de Tecnologia da D+,depois D+W, agência de publicidade que marcou uma época no mercado carioca e também sócio de um dos primeiros provedores de internet da cidade, a Easynet. Durante sua carreira recebeu vários prêmios nacionais, regionais e também foi finalista no prestigiado London Festival. Todos com filmes de animação e efeitos especiais. Como convidado, proferiu palestas em diversas universidades cariocas e também no 21º Festival da ABP, em 1999. Em 2000 fundou a Imagina Produções (www.imagina.com.br), onde é Diretor de Animações, Filmes e Efeitos até hoje. Foi Campeão Carioca de Judô aos 15 anos, Piloto de Motocross e Superbike, mantém até hoje a paixão pelo motociclismo, seja ele off-road, motovelocidade e "até" Harley-Davidson, onde é membro fundador do Museu HD em Milwaukee. É Presidente do ForzaRio Desmo Owners Club (www.forzario.com.br) e criou o site Motozoo® - www.motozoo.com.br -, onde escreve sobre motociclismo. Como historiador, escreve em https://olhandoacidade.imagina.com.br. Maiores informações em: https://bio.site/mariobarreto

3 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.