OlhandoaCidade

Capela da Praia da Bica

Meus amigos, depois de passar o sufoco lá na Vila Kennedy, resolvi almoçar na Ilha do Governador. Apesar de já ter zanzado muito pela Ilha, eu sou travado ali na Praia da Bica. Desde muito novo. Meu Tio João, irmão de papai, tinha um apartamento lá e eu desde muito garoto ia a praia ali, onde cheguei a curtir uma água bem limpa e clarinha, de ver os pés, e catar conchinhas. A época era outra, mas meus pais eram também muito descansados, porque eu ia de ônibus, bem novinho mesmo, tipo uns 10 anos, até lá passear. Sempre fui passeador, vocês podem ver.

O Jardim Guanabara é lindo e a Praia da Bica um desbunde. Uma vista linda de dia ou de noite, tudo muito limpo, arrumado, organizado, alto nível. Em que praia da cidade você pode beber uma gelada na areia da praia, com mesa, cadeira, com toda a tranquilidade e curtindo um visual incrível?

Aulinha de tupi do Professor Barreto: Guanabara pode ter três significados: Iguaá-Mbara (iguaá = enseada do rio, e mbará = mar); ou então guana (“seio”) bara (“mar”), “mar do seio”, em referência ao formato arredondado da baía e à fartura de pesca que proporcionava; ou ainda kûárana pará (“mar do que se assemelha a enseada”, pela junção de kûá, “enseada” , rana, “semelhança” e pará, “mar”. 

Depois, na adolescência eu ia muito lá. Os primos da minha namorada Miriam, “Katinha, Garéti e Tokinha” mudaram-se para uma casa com piscina e estávamos sempre lá, fazendo arruaça. É um lugar lindo e que a cidade Zona Sul não conhece e não aproveita. Certamente a Ilha tem outros lugares bonitos, com vista, mas não acredito que algo seja tão legal como a Praia da Bica. Insulanos! Manifestem-se.

Maracajaguaçu

O nome, Praia da Bica, é porque tinha ali um chafariz no tempo colonial. Ilha de Paranãpuã (terra fértil em tupi), ou Ilha dos Gatos e finalmente Ilha do Governador Salvador Correia de Sá, “o velho”. A ilha era ocupada por uma tribo temiminó. O morubixaba dessa tribo foi imortalizado como grande amigo dos portugueses. Seu nome era Marakaîágûasu (Maracajaguaçu), o Grande Gato.

Seu filho foi mais famoso, ele é o pai de Araribóia. A ilha tem uma história antiga para Brasil, pois já em 1568 era a Ilha do Governador, com os índios temiminós tendo partido para o Espírito Santo e Araribóia recebido as terras de Niterói como prêmio por sua ajuda na batalha contra os franceses. A Batalha de Uruçumirim, que definiu a vitória portuguesa, foi em janeiro de 1567, ou seja, 1 ano depois o Governador já estava na Ilha.

Capela Imperial de Nossa Senhora Imaculada Conceição teve sua construção realizada quase 100 anos depois, pois foi iniciada em 1662 (algumas fontes dizem 1625), quando fazia parte da fazenda que ocupava a área. A capela  foi doada à Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro em 1786. A capela então figura como uma das construções mais antigas do bairro e é tombada.

Em 1662, o então governador Salvador Correia de Sá passou a seus descendentes e em auto de medição e divisão a demarcação de suas terras na Ilha. O texto do auto descreve terem as autoridades, que promoviam a medição e demarcação, descido um outeiro e depois atravessado “por onde esteve ermida que foi do Engenho Velho” e logo descido na praia. A Praia do Engenho Velho fica a oeste da velha igreja, de N. Srª. da Conceição que fica na praia que hoje é a Praia da Bica. Nesta época não tinha Imperador no Brasil nem em Portugal, de maneira que este “Imperial” no nome só pode ter surgido após a ascensão de D. Pedro I, mas não consegui achar nenhum texto explicando isso (procurei pouco).

Assim que se chega na Praia da Bica, chega-se nela. Com uma grande praça em frente, olhando-se a direita descortina-se a vista de grande parte da Baía da Guanabara e um lindo perfil do Rio de Janeiro. De noite a Roda Gigante fica piscando e embeleza ainda mais.

Ela é linda, a praia é linda, a vista é linda a história é linda. Vão lá olhar, vale a pena!!! Nossa cidade é linda.

Publicitário, Designer, Historiador, Jornalista e Pioneiro na Computação Gráfica. Começou em publicidade na Artplan Publicidade, no estúdio, com apenas 15 anos. Aos 18 foi para a Propeg, já como Chefe de Estúdio e depois, ainda no estúdio, para a Agência da Casa, atual CGCOM, House da TV Globo. Aos 20 anos passou a Direção de Arte do Merchandising da TV Globo onde ficou por 3 anos. Mudando de atuação mais uma vez, do Merchandising passou a Computação Gráfica, como Animador da Globo Computação Gráfica, depois Globograph. Fundou então a Intervalo Produções, que cresceu até tornar-se uma das maiores produtoras de Computação Gráfica do país. Foi criador, sócio e Diretor de Tecnologia da D+,depois D+W, agência de publicidade que marcou uma época no mercado carioca e também sócio de um dos primeiros provedores de internet da cidade, a Easynet. Durante sua carreira recebeu vários prêmios nacionais, regionais e também foi finalista no prestigiado London Festival. Todos com filmes de animação e efeitos especiais. Como convidado, proferiu palestas em diversas universidades cariocas e também no 21º Festival da ABP, em 1999. Em 2000 fundou a Imagina Produções (www.imagina.com.br), onde é Diretor de Animações, Filmes e Efeitos até hoje. Foi Campeão Carioca de Judô aos 15 anos, Piloto de Motocross e Superbike, mantém até hoje a paixão pelo motociclismo, seja ele off-road, motovelocidade e "até" Harley-Davidson, onde é membro fundador do Museu HD em Milwaukee. É Presidente do ForzaRio Desmo Owners Club (www.forzario.com.br) e criou o site Motozoo® - www.motozoo.com.br -, onde escreve sobre motociclismo. Como historiador, escreve em https://olhandoacidade.imagina.com.br. Maiores informações em: https://bio.site/mariobarreto

Um comentário

  • Maria Inês Barreto da Costa

    Eu também frequentei essa praia na minha infância. Era ótima. Uma água limpinha, mansa, na sombra de enormes amendoeiras. E ainda tinham os pedalinhos. Pura felicidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.