OlhandoaCidade

Lampião Grande

Hoje mais uma vez dei um passeio pela Floresta da Tijuca. Que privilégio ter um local como este tão pertinho, e o melhor, de graça né? Saindo da Floresta ali pela Estrada do Açude, que passa pelo Colégio Santa Marcelina resolvi ir para a praia descendo pela Gávea Pequena, um caminho que já fiz centenas de vezes. E não é que desta vez eu olhei duas coisas que eu nunca tinha olhado?

Primeiro, o Lampião Grande. Detonado, não tem mais lampião algum, só a sua base. Neste entroncamento de 3 Estradas, Açude, Furnas e Vista Chinesa, onde hoje tem o Corpo de Bombeiros, está a ruína do Lampião Grande que dá nome a própria localidade. Já foi mais próspera, já teve mais comércio e hoje nem se sabe mais do lampião.

O Lampião Grande atualmente.

Uma pena não é? Ele já foi muito mais bacana, como podemos ver nesta foto dos anos de 1960

Logo mais adiante, pela Estrada da Vista Chinesa, dei de cara com esta placa, um Tributo de Gratidão, que diz:

Tributo de Gratidão ao Incansável zelo do Senhor Luiz Pedreira do Couto Ferraz ao promover o desenvolvimento e engrandecimento da Tijuca. Engenheiro o Senhor. Capitão Antônio Pedro Monteiro de Drummond. Executor da Obra o Senhor Henrique Clark. 1857.

Bacana não é?

Luiz Pedreira do Couto Ferraz, o Visconde do Bom Retiro, foi deputado geral, presidente da província do Rio de Janeiro e da do Espírito Santo, conselheiro de Estado e Senador do Império do Brasil. Foi o responsável pela metodização e oficialização do ensino primário, reforma do ensino secundário, das escolas de medicina, o conservatório de música, a academia de belas artes, e criador do Imperial Instituto dos Cegos.

O Engenheiro e Capitão Antônio Pedro Monteiro de Drummond lutou na Guerra do Paraguai e teve diversos cargos de engenharia no Império de também na República.

Sobre o Senhor Henrique Clark eu não consegui informações, ainda.

É aquilo… sempre tem o que olhar!!!!!

Publicitário, Designer, Historiador, Jornalista e Pioneiro na Computação Gráfica. Começou em publicidade na Artplan Publicidade, no estúdio, com apenas 15 anos. Aos 18 foi para a Propeg, já como Chefe de Estúdio e depois, ainda no estúdio, para a Agência da Casa, atual CGCOM, House da TV Globo. Aos 20 anos passou a Direção de Arte do Merchandising da TV Globo onde ficou por 3 anos. Mudando de atuação mais uma vez, do Merchandising passou a Computação Gráfica, como Animador da Globo Computação Gráfica, depois Globograph. Fundou então a Intervalo Produções, que cresceu até tornar-se uma das maiores produtoras de Computação Gráfica do país. Foi criador, sócio e Diretor de Tecnologia da D+,depois D+W, agência de publicidade que marcou uma época no mercado carioca e também sócio de um dos primeiros provedores de internet da cidade, a Easynet. Durante sua carreira recebeu vários prêmios nacionais, regionais e também foi finalista no prestigiado London Festival. Todos com filmes de animação e efeitos especiais. Como convidado, proferiu palestas em diversas universidades cariocas e também no 21º Festival da ABP, em 1999. Em 2000 fundou a Imagina Produções (www.imagina.com.br), onde é Diretor de Animações, Filmes e Efeitos até hoje. Foi Campeão Carioca de Judô aos 15 anos, Piloto de Motocross e Superbike, mantém até hoje a paixão pelo motociclismo, seja ele off-road, motovelocidade e "até" Harley-Davidson, onde é membro fundador do Museu HD em Milwaukee. É Presidente do ForzaRio Desmo Owners Club (www.forzario.com.br) e criou o site Motozoo® - www.motozoo.com.br -, onde escreve sobre motociclismo. Como historiador, escreve em https://olhandoacidade.imagina.com.br. Maiores informações em: https://bio.site/mariobarreto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.