OlhandoaCidade

Fortaleza de Santa Cruz da Barra

Taí um passeio que eu gosto de fazer. É perto, é bonito e sempre tem alguém que nunca foi para você mostrar. O carioca passeia muito pouco, de maneira geral. A cidade, para o carioca nascido e criado na Zona Sul da cidade é simplificada: Praias, Centro, Lagoa, Túnel Rebouças, Maracanã, Aeroporto e Petrópolis. É isso. Tem lá o sertão da Barra da Tijuca, mas ele vive dentro deste esquema. Conhece nada de Zona Norte, de Ilha do Governador, de Florestas. A imensa maioria dos meus amigos burros velhos nunca passaram pela Estrada do Sumaré, quando os levo lá de moto ficam encantados e sempre perguntam: “Isso tem saída? Onde vai dar?”. É impressionante.

Ao fundo o Pão de Açúcar

Pedir para que conheçam um Forte que fica em Jurujuba é demais, só pegam a ponte para ir para Búzios e região dos lagos.

Pois é isso, a Fortaleza de Santa Cruz da Barra fica lá na pontinha, da entrada da Baía da Guanabara, do outro lado, o lado de Niterói. Para chegar lá é mole, é só ir pela praia, passar por Icaraí, São Francisco, continuar indo até não dar mais. Lá no final, é o portão do quartel, é a entrada da Fortaleza.

Bonito né?

O visual é lindo. Niterói é muito bonita, a orla toda, as colônias de pescadores, onde come-se um peixe de primeira qualidade. E perto.

Gravura que ilustra o “Reys-boeck van het rijcke Brasilien,… 1624. Reparem na Ilha da Trindade a esquerda, que hoje não é mais ilha e é o Pão de Açúcar.

A Fortaleza tem uma longa história, com este nome desde 1612, mas antes, desde 1584 já existia com bateria de Nossa Senhora da Guia. Sua posição não podia ser mais estratégica para proteger o porto e a cidade do Rio de Janeiro, pois ela cruza fogo com a bateria que fica na laje bem no meio da entrada da Baía, e com a Fortaleza de São João da Barra, que fica na Urca. Passou por ali, levaria fogo, o que não impediu que René Dugay-Trouin passasse e sequestrasse a cidade do Rio de Janeiro em 1711, uma história sensacional que quase ninguém conhece.

Foto de 1893-1895 da bateria de canhões da Fortaleza. Coleção Thereza Christina Maria – Biblioteca Nacional (Brasil).

Recomendo ir lá olhar a Fortaleza, tem visitas guiadas, se bem que devem estar suspensas por conta da pandemia. É um passeio bacana, depois pode-se almoçar um peixinho em Jurujuba, ir visitar a rampa de asa delta do Parque da Cidade de Niterói, é um programão.

Guarda tomando conta
Vista aérea da Fortaleza

Publicitário, Designer, Historiador, Jornalista e Pioneiro na Computação Gráfica. Começou em publicidade na Artplan Publicidade, no estúdio, com apenas 15 anos. Aos 18 foi para a Propeg, já como Chefe de Estúdio e depois, ainda no estúdio, para a Agência da Casa, atual CGCOM, House da TV Globo. Aos 20 anos passou a Direção de Arte do Merchandising da TV Globo onde ficou por 3 anos. Mudando de atuação mais uma vez, do Merchandising passou a Computação Gráfica, como Animador da Globo Computação Gráfica, depois Globograph. Fundou então a Intervalo Produções, que cresceu até tornar-se uma das maiores produtoras de Computação Gráfica do país. Foi criador, sócio e Diretor de Tecnologia da D+,depois D+W, agência de publicidade que marcou uma época no mercado carioca e também sócio de um dos primeiros provedores de internet da cidade, a Easynet. Durante sua carreira recebeu vários prêmios nacionais, regionais e também foi finalista no prestigiado London Festival. Todos com filmes de animação e efeitos especiais. Como convidado, proferiu palestas em diversas universidades cariocas e também no 21º Festival da ABP, em 1999. Em 2000 fundou a Imagina Produções (www.imagina.com.br), onde é Diretor de Animações, Filmes e Efeitos até hoje. Foi Campeão Carioca de Judô aos 15 anos, Piloto de Motocross e Superbike, mantém até hoje a paixão pelo motociclismo, seja ele off-road, motovelocidade e "até" Harley-Davidson, onde é membro fundador do Museu HD em Milwaukee. É Presidente do ForzaRio Desmo Owners Club (www.forzario.com.br) e criou o site Motozoo® - www.motozoo.com.br -, onde escreve sobre motociclismo. Como historiador, escreve em https://olhandoacidade.imagina.com.br. Maiores informações em: https://bio.site/mariobarreto

5 Comentários

  • Sônia Reese

    É impressionante isto, o pessoal que nasceu e cresceu na zona Sul mora numa cidadezinha e nem sabe, se limitam tanto por falta de conhecimento. Adoro passeia pela floresta da Tijuca, subir ali pelo Impa e sair na Tijuca, usei muito este caminho na época da faculdade pra evitar trânsito no Rebouças. E Niterói é mesmo um passeio pertinho e lindo, fora a vista de lá pro Rio, é ainda melhor que ver Manhattan de Brooklyn.

  • Rosa Amaral

    Minha mãe gostava de nos levar a esses lugares quando estávamos de férias.
    Lugares que ninguem tem o costume de visitar.
    Adorei rever.

  • Jorge Adir

    Meu primo comandou a Fortaleza, quando ainda estávamos sob o regime militar. Realmente é um passeio imperdível!

  • Maria Inês Barreto

    É lindo! Pude ir lá naquela praia uma vez, com o pessoal do Colégio. Adorei!
    Mas o almoço em Jurujuba é programa de domingo pra quem mora em Niterói. É muito bão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.