OlhandoaCidade

Escadaria Providência

Hoje fui conferir uma escada que outro dia ví rapidamente após sair da Central do Brasil. Ali atrás da Central, nas franjas do Morro da Providência existe um mundo muito diferente do restante da cidade. Casas antigas de montão, decadentes, coloridas. Muita gente, mas muita gente mesmo. Um ar de perigo, é um lugar que não se deve passear de bobeira.

Vejam o relógio da Central ali pertinho

Tem ali um túnel, que foi inaugurado em 1919, para fazer um caminho mais curto do Cais do Porto até a Central do Brasil. É o Túnel João Ricardo. Sua iluminação foi trocada, como toda a iluminação da cidade, por fortes leds, mas o piso é um esburacado paralelepípedo e até as lâmpadas foram trocadas mas não foram alinhadas. É um túnel sinistro, sujo e mal cuidado, mas pelo menos agora bem iluminado. Tem um outro túnel, ao lado, ferroviário, o Túnel Marítimo, que foi reformado para a passagem do VLT. São dois túneis que o carioca médio desconhece. Ambos passam por baixo do Morro da Providência. O Túnel João Ricardo foi construído exatamente no local onde existiu o famoso Cortiço Cabeça de Porco. Este cortiço chegou a ter 4 mil moradores e sua presença envergonhava as autoridades cariocas de então.

O Túnel em obras, já após a demolição do Cabeça de Porco.

Na entrada do Túnel João Ricardo, do lado da Central do Brasil, tem esta escadaria a sua esquerda. Colorida, chamou minha atenção. Hoje fui lá fotografar aqui para o nosso Olhando a Cidade.

Não faltam escadas no Morro e inclusive não consegui pesquisar no Google a origem deste trabalho. Não é antigo, pois até no Google Street ele não aparece. Vejam clicando aqui.

Parei do outro lado da rua e vim aqui fotografar. Apesar do grande movimento mais atrás na Rua Bento Ribeiro, a rua que entra no túnel, a escada é pouco utilizada no horário em que estive por lá. Não é uma escadaria do tipo Selarón, não é a escada mais famosa do Morro da Providência, mas tem a sua beleza. Olhem aí no álbum de fotos!

É isso aí gente, vamos andando, vivendo e olhando nossas cidades. Não faltam coisas para serem olhadas e admiradas. Legal esta escadaria e sua arte.

Publicitário, Designer, Historiador, Jornalista e Pioneiro na Computação Gráfica. Começou em publicidade na Artplan Publicidade, no estúdio, com apenas 15 anos. Aos 18 foi para a Propeg, já como Chefe de Estúdio e depois, ainda no estúdio, para a Agência da Casa, atual CGCOM, House da TV Globo. Aos 20 anos passou a Direção de Arte do Merchandising da TV Globo onde ficou por 3 anos. Mudando de atuação mais uma vez, do Merchandising passou a Computação Gráfica, como Animador da Globo Computação Gráfica, depois Globograph. Fundou então a Intervalo Produções, que cresceu até tornar-se uma das maiores produtoras de Computação Gráfica do país. Foi criador, sócio e Diretor de Tecnologia da D+,depois D+W, agência de publicidade que marcou uma época no mercado carioca e também sócio de um dos primeiros provedores de internet da cidade, a Easynet. Durante sua carreira recebeu vários prêmios nacionais, regionais e também foi finalista no prestigiado London Festival. Todos com filmes de animação e efeitos especiais. Como convidado, proferiu palestas em diversas universidades cariocas e também no 21º Festival da ABP, em 1999. Em 2000 fundou a Imagina Produções (www.imagina.com.br), onde é Diretor de Animações, Filmes e Efeitos até hoje. Foi Campeão Carioca de Judô aos 15 anos, Piloto de Motocross e Superbike, mantém até hoje a paixão pelo motociclismo, seja ele off-road, motovelocidade e "até" Harley-Davidson, onde é membro fundador do Museu HD em Milwaukee. É Presidente do ForzaRio Desmo Owners Club (www.forzario.com.br) e criou o site Motozoo® - www.motozoo.com.br -, onde escreve sobre motociclismo. Como historiador, escreve em https://olhandoacidade.imagina.com.br. Maiores informações em: https://bio.site/mariobarreto

7 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.